Segunda-feira, 16 de Maio de 2011

Texto para o Portal da Literatura

StartSelection:0000000199 EndSelection:0000003063

Por este Mundo Acima é uma peregrinação futurista. Uma visão estranha de um Lisboa destruída após um acidente. Um sobrevivente, velho, interroga-se sobre a sua existência. Revive os momento bons, recorda os amigos, volta atrás numa viagem nostálgica que se torna um instrumento para se manter vivo. Não é um romance sobre uma destruição e o retrocesso da Humanidade, sobre a perda da tecnologia e as dificuldades inerentes. É a história de vida de um homem – Eduardo - que , em tempos, foi uma figura importante do mundo da cultura. O que importa dizer aos leitores? Que é um romance sobre a memória, sobre a amizade, a ideia do Bem e do Mal e, depois, da redenção. No exercício da memória, Eduardo redescobre os amigos, consegue vê-los numa outra perspectiva. Em casa de um deles - sabendo à partida que não voltarão a encontrar-se - encontra segredos e coisas inesperadas. A amizade também é isso: dizer o que se pode; guardar o que talvez não faça falta para se ser compreendido.

Ao fim de três anos de sobrevivência, Eduardo descobre um manuscrito que, por mero acaso, ficara perdido na mesa de trabalho e é o livro que lhe dá alento para enfrentar o mundo. É preciso imprimir, é preciso divulgar, é preciso entender o livro como uma forma superior de co-existir. Enquanto procura um dos amigos, aquele que acredita ser capaz de o ajudar a reproduzir o original, Eduardo sabe que as probabilidades de sucesso são escassas. Apesar disso faz um esforço para atravessar a cidade, os restos da cidade. Encontra um miúdo com oito anos, Pedro. Toda a sua vida se transforma e ganha outra dimensão. Tem um livro novo e uma criança que leva para casa.
A vida de Pedro é-nos relatada por um narrador ausente, sendo a terceira parte do livro. Eduardo encontra uma razão de viver em Pedro e ensina-lhe tudo o que consegue ensinar, obrigando-o a ler uma biblioteca maravilhosa, a biblioteca que herdou da avó. Pedro cresce e consegue construir uma oficina de impressão: o original que Eduardo encontrou ganha vida, por fim.  A Humanidade compõe-se aos solavancos. Uma certa ideia de Humanidade, numa cidade onde todo o mal pode vir do céu. A maldade? Sim, as chuvas ácidas, o desconhecimento, o desligar do resto do mundo por falta de comunicações. A bondade? É inerente a quem ama, mesmo àqueles que aprendem tarde como demonstrar esse amor.

publicado por Patrícia Reis às 00:33
link do post

Patrícia Reis 2009

Patrícia Reis 2009

mais sobre mim_

pesquisar neste blog_

 

arquivos_

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

os livros_


Por este mundo acima
Comprar livro

No Silêncio de Deus
Comprar livro

Amor em segunda mão
Comprar livro

Beija*me
Comprar livro

Cruz das Almas
Comprar livro

Morder-te o coração
Comprar livro

Vasco Santana - O Bem-Amado
Comprar livro

O Diário do Micas
Mistério no Museu de Arte Antiga
Comprar livro

O Diário do Micas
Mistério no Museu da Presidência

A Fada Dorinda e a Bruxa do Mar
Comprar livro

Xavier
O livro esquecido e
o dragão enfeitiçado
Comprar livro

subscrever feeds_